terça-feira, março 10, 2009

Direito canônico

O negócio é o seguinte: qualquer ato moral contra o ser humano morre por si mesmo. O papo não é pra igreja e seus beatos de carteirinhas. Estamos falando de bom senso. Coisa que nunca chegou na igreja. Nem em qualquer outro terreiro ideológico que gosta de unir ovelhinhas.

E dá-lhe bolinha de papel. Compradas de acordo com o dinheiro do freguês! E aja água da terra santa. Pra acalmar os pecados. Já ensinavam as conformadas santinhas canonizadas. Nada de analgésicos para os doentes. É a forma de pagar os pecados.

E ficamos assim. Se a criança morresse gestando duas crianças, foi vontade de deus. Mais tarde, para eles, o estuprador aceitaria Jesus e viraria um bom pai/avô/bisavô e quantas mais meninas viessem.

A criança é um caso perdido. Vivia recebendo o diabo em seu corpo. Tentando o padrasto. Como Eva, foi punida! Vidas foram salvas!

E assim caminha grande parte da humanidade. Míope.

4 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito, perfeito. A hipocrisia age exatamente desta forma, e o pior, ainda matam em nome da lei de Deus!

Sandro Moreira disse...

Enquanto as "santinhas" eram canonizadas, as inteligentes eram execradas. E assim vivemos até hoje, influenciados por uma religião hipócrita, em pleno estado laico. Muito bom!

Marco Gross disse...

Em terra de cego, quem tem um olho é rei! A igreja ainda interpreta a Bíblia baseada na história de Adão e Eva. Então só pode dar isso que a gente vê, diariamente.

Vinícius Batista disse...

Mandar fazer criança é fácil. Só queria saber porque a igreja não oferece o teto de suas caras catedrais pra abrigar este s milhares de filhos da pobreza, que não tem o que comer? Algué já viu a igreja oferecer abrigo aos pobres?